terça-feira, 30 de agosto de 2011

Pausa: 2 anos de saudade

Olá gente bonita! Hoje é uma data que não posso deixar passar em branco. Pensei muito se iria escrever sobre isso, pq é uma catarse muito complicada para mim. Mas é necessária! Hoje´faz 2 anos que perdi meu norte. Minha companheira de todas as horas. Minha confidente. Minha melhor amiga. Minha parceira para todas as horas. Perdi minha mãe há exatos dois anos.
E neste tempo que parece tão longo, não há um dia sequer que não pense nela, que não ouça sua voz cantando enquanto cozinhava ou fazia alguma atividade doméstica. Dois anos em que a saudade é uma companheira constante e que me lembra a todo momento pequenas coisas, pequenas palavras, pequenos gestos que só nós duas sabíamos, só nós duas entendíamos.
Mamis, a gente sempre falava como iria ser dura a nossa separação, mas você não pode imaginar como tenho me feito de forte para suportar sua ausência. Sinto falta em praticamente todos os momentos do meu dia, desde o café que passo logo cedo e que era nossa bebida predileta até o momento em que vou dormir.
Eu vejo você, Mamis, no seu neto que vc não chegou a conhecer - na verdade vc o conheceu antes de mim, não é? Pq sonhou com ele dias antes de partir. Mas eu vejo vc em cada sorriso do João, em cada manha que ele faz, e principalmente qdo fico velando o sono dele e vejo um sorriso naquele rostinho lindo e tenho a certeza de que é vc visitando ele em sonho.
Bom, Mamis, eu tive que escrever tudo isso e chorar tudo isso que estou chorando pq quero todo mundo saiba a mãe maravilhosa e especial que vc foi e sempre será. Quero que saibam que tudo o que sou, tudo o que sei, tudo o que faço é pq eu tive vc ao meu lado me orientando e fazendo de mim e do meu irmão duas pessoas de bem.
Tomara que o céu seja tão lindo quanto vc dizia ser e que vc esteja se divertindo muito por aí!
Te amo mais que tudo!
Sua filha, Meire
Obs: os cravos são pra te homenagear, já que eram suas flores preferidas.

2 comentários:

Veronica Kraemer disse...

Meire querida, li este post e chorei também.
Eu não consigo imaginar sua dor, mas sei que é imensa.
Estou sem palavras, mas vim deixar aqui meu carinho e meu afeto.
beijos
Vero

Edson Martinho disse...

Meu amor, Eu entendo sua dor e mesmo tentando suprir parte da ausência não consigo de longe ser o que ela era para você e pode ter certeza que sinto a falta dela também, apesar de termos nossas diferenças afinal ela era a sogra..risos. Te amo e sempre estarei ao seu lado para ajudar a suportar esta saudade e curtir nosso filhão, e nossas filhotas é claro, até que o papai do céu nos permita e que ele permita que esta passagem por aqui seja longa o suficiente para podermos cumprir todas as nossas missões. Um beijo te amo. Seu Sempre Zé das Couves (mais uma das suas criações)